Novo clipe de “Cais” pela cineasta Wiktoria Szymanska

Se você é entusiasta da arte brasileira e costuma projetar imageticamente esse amor em para um campo infinito na ansiedade de querer que o mundo entenda essa nossa potência poética toda vez que se apaixona por um artista local, esse post pode ser pra você. Porque é dessa mesma dimensão que escrevo agora.

A trilogia musical do duo Versos Que Compomos na Estrada iniciou-se em 2012, quando dois forasteiros poetas, Lívia Humaire e Markus Thomas, se encontraram em seus infinitos particulares. O que era ponto de fuga e alimentação artística logo se tornara um imenso e enraizado mapa a se caminhar, compor e encontrar. Seus três álbuns são considerados diamantes afetivos, uma imersão auditiva de densidade inquestionável com composições que resgatam e revigoram a tradição e a originalidade do cancioneiro brasileiro que se consolida modernidade a dentro. Abaixo você pode ouvir e conhecer os três discos de sua trajetória.

Caminhadas e os encontros são inerentes as obras do Versos. E foi num desses percursos que nasceu o seu primeiro vídeo clipe para a canção “Cais” que ganhou uma tradução cinematográfica assinado pela cineasta polonesa Wiktoria Szymanska. A roteirista premiada em diversos festivais de cinema pelo mundo e apaixonada por culturas, entre elas a música brasileira, ficou tão encantada com a profundidade do duo, que em parceira com o Versos, integrou a canção em seu longa “13 Summers Underwater” de 2017. O filme conta histórias paralelas de vida e morte, e a exaltação do sensível que nos faz transcender traumas que conectam vidas e histórias fazendo com que seus personagens consigam estabelecer uma comunicação intensa e independente mesmo a longas distancias e sem se conhecerem. O olhar fotográfico, a trilha e a intensidade poética são pontos exaltados pela crítica para essa película. Omar Juajez assina a direção de som, e Pascual Reyes a música original.

Clipe de “Cais” original pela cineasta Wiktoria Szymanska

Cais foi a canção selecionada para trazer memórias ao filme, usando o além das culturas e seus idiomas como forma de atravessamento do sensitivo da música que veste seus personagens mesmo em idioma diferente do senso comum ao preferido inglês. Esse vídeo clipe é uma obra a parte criada a partir de trechos e capturas do longa para agora fazer o caminho de volta à original canção. Uma edição exclusiva da cineasta que selecionou e recortes para vestir a música com as roupagem poética do filme para esse vídeo clipe inédito. O resultado é uma sensível viagem de reencontros, que pode ser de volta ou de ida, como suas memórias quiserem a traduzir. Assista.

Deixe uma resposta